sexta-feira, abril 28, 2006

colours of the wind


Outro dia lindo hoje. A Primavera é mesmo demais. Deitem por cima de qualquer coisa um raio de sol e nada é igual. As cores cantam mais alto, as vozes brilham mais, o olhar aquece. Lembramo-nos de coisas que fazíamos quando éramos pequenos. Subir para cima da bancada para ir buscar o copo, enchê-lo de água e misturar as aguarelas todas: tentar sempre que a cor da água não ficasse castanha. A plasticina nas portas do carro, como a lareira do lobo mau. A música da Pocahontas na cabeça. É tão Primavera.
...e pintar com quantas cores o vento tem...

Scar Tissue

Uma prenda de anos atrasada (mas, para compensar, não vem sozinha lool) e um esforço para pôr o blog back on tracks... Uma das minhas preferidas

Scar tissue that I wish you saw
Sarcastic mister know it all
Close your eyes and I'll kiss you 'cause
With the birds I'll share
With the birds I'll share
This lonely view
With the birds I'll share
This lonely view

Push me up against the wall
Young Kentucky girl in a push-up bra
Fallin' all over myself
To lick your heart and taste your health 'cause
With the birds I'll share
This lonely view...

Blood loss in a bathroom stall
Southern girl with a scarlet drawl
Wave good-bye to ma and pa 'cause
With the birds I'll share
With the birds I'll share
This lonely view
With the birds I'll share
This lonely view

Soft spoken with a broken jaw
Step outside but not to brawl
Autumn's sweet we call it fall
I'll make it to the moon if I have to crawl and
With the birds I'll share
This lonely view...

Scar tissue that I wish you saw
Sarcastic mister know it all
Close your eyes and I'll kiss you 'cause
With the birds I'll share
With the birds I'll share
This lonely view
With the birds I'll share
This lonely view...

quinta-feira, abril 27, 2006

"Step outside 'cause summertime's in bloom"


Hoje foi um dia excelente. Foi mesmo daqueles dias em que somos obrigados a acreditar que deviam haver deuses a controlar os meus passos. Não tive praticamente aula nenhuma, havia sempre uma actividade qualquer que os próprios professores queriam que nós fizéssemos fora da sala (não éramos nós a pedinchar, eram mesmo eles a dizer "vamos lá"); além disso esteve um dia liiiindo e quente, mas não demasiado quente :) e a companhia é que faz tudo, não é? É tão bom poder estar com os amigos, só estar, falar de qualquer coisa sem importância, mas ao mesmo tempo revelar a alma, num dolce fare niente (como no anúncio). Foi um dia mesmo bom. Uma espécie de folga dos azares e más coincidências, hoje, todas as coincidências foram boas.
Não quero dizer que tenha sido perfeito, as coisas não correm sempre como a gente quer (no meu caso, tenho de fazer muita força para esconder do destino aquilo que eu quero, porque se ele ouve, por mais baixo que seja, um desejo meu, de certeza que arranja tudo de maneira a que não aconteça. è sempre assim. Por mais que eu imagine quinhentas mil maneiras de qualquer coisa acontecer, como eu quero, é sempre de maneira diferente que acontece. Sick twisted bastard!). Como eu estava a dizer, não quero que pensem que o dia foi perfeito porque não foi, isso não existe. Houve momentos chatos, de desilusão, de frustração, essas coisas normais. Só que as coisas boas aconteceram muito facilmente hoje. Foi só mesmo bom. The clouds are so free...

quarta-feira, abril 26, 2006

E o teclado começa a queixar-se outra vez ;)

Finalmente, depois de algum tempo, volto a fazer um post. Já não fazia há muito tempo mas não pensem que é por ter perdido assunto para falar ou vontade de escrever aqui. A verdade é que estava na altura das férias e, se ao princípio tinha pensado que esta ia ser a altura perfeita para me dedicar ao blog, rapidamente percebi que era exactamente uma altura em que dificilmente ligaria ao blog, porque tinha mais que aproveitar...basicamente. Outra razão foi que percebi, pelo reduzidíssimo número de comments, que ninguém estava a ligar puto ao que a gente estava para aqui a dizer e (tentando acreditar que se devia ao facto de toda a gente estar de férias :/) decidi dar um descanso ao teclado. Mas agora já acabou e já não me consigo conter mais. Acho que já posso continuar. :)

sexta-feira, abril 07, 2006

"Não me toques"

O homem da janela

Era uma vez um homem muito sozinho. Ele gostava de olhar pela janela para a casa da vizinha, que costumava sentar-se ao sofá com o gato no colo. E de cada vez que o gato abanava o rabo, o homem comia um chocolate para se sentir quentinho e não tão sozinho.
Um dia, quando ele estava a olhar para a sala da vizinha, à espera que o gato abanasse o rabo, este levantou-se do colo que o sustinha e saltou para a janela. A vizinha sentiu-se fria de repente porque o gato lhe aquecia as pernas. Um bocado ciumenta por o gato preferir o sol da janela às suas carícias tão meigas, ela virou-se para a janela. A sua surpresa não chegava para tanto: para além de o seu gato se estar a deliciar com as suas sardinheiras que lhe davam tanto trabalho, estava também o seu estranho vizinho debruçado na janela a olhar para ela com uma caixa de chocolates aberta no para peito. Mas o que é que era aquilo?
Levantou-se e foi buscar o gato ao vaso da janela sem tirar os olhos da cara petrificada do vizinho. Ficaram algum tempo silenciosos até que a vizinha perguntou:
- São bons?
O vizinho, se possível ainda mais embatucado, pensou de que raio estaria ela a falar. Será que era maluca?
- Os chocolates. – esclareceu ela. – São bons?
- Eh… São. Quer uns? – respondeu ele e, sem pensar, estendeu a caixa para fora da janela e deixou-a cair.
- Oh! – exclamaram os dois. O homem estava desolado a olhar para os chocolates e a vizinha desolada a olhar para ele.
- Deixe estar que eu vou apanhá-los. – disse ela e virou-se em direcção às escadas. O homem acordou e desceu as suas escadas também. Os seus preciosos chocolates, despedaçados. Ao menos a vizinha era cuidadosa e já estava a juntá-los todos dentro da caixa outra vez, sem descurar nenhum.
- Espero que não se importe com o pó da rua? – perguntou ela, a sorrir. Ele não se importava com o pó da rua ao ver um sorriso daqueles.
- Sempre quer um? – ofereceu ele, observando as mãos brancas da vizinha, brincando com os dedos uma da outra.
- Mas é claro! – respondeu ela e o seu sorriso tornou-se luz incandescente que cegou o homem e o levou a casa da vizinha muitas vezes, onde comeu muitos chocolates.
Durante muito tempo viveu ele enfeitiçado por aquele sorriso, sentindo-se feliz mas um pouco incomodado com tanta incandescência; até que chegou um dia em que não conseguiu mais suportar essa luz e deixou de fazer visitas à vizinha.
A vizinha ficou muito triste, porque tinha perdido a pessoa a quem presenteava o seu sorriso, que ela sabia ser a sua maior dádiva, mas passado algum tempo ela aceitou o que tinha acontecido e seguiu em frente, sem nunca saber porque é que as visitas do seu vizinho tinham acabado.
Apesar de aquelas visitas terem sido dos melhores momentos da vida de cada um dos dois, quando estas acabaram, foi como se nunca tivessem existido pois os dois agiam como se não conhecessem o outro e a única coisa que ainda vivia entre eles era o gato, que tinha passado a frequentador regular da casa do homem porque este tinha umas deliciosas sardinheiras no parapeito da sua janela.

quinta-feira, abril 06, 2006

The Ballad of Uchiha Sasuke

My heart is broken.
Nandé Sasuke? Nandé tebayo?
Ripped from my chest and
Crushed by your hand,
Under your unmercyfull eyes.
I weep. I wish you'd wake up.













What is that I see?
That light in the dark, so faint.
That defeat in your eyes, acknowledging.
Is that hope?
What is that I hear?
That promise abandoned,
That warmth in your cold words.
Is that hope?
It seems there is a way at last
When everything is said and lost.
It's the end, but not yet. Is that hope?

quarta-feira, abril 05, 2006

A Pandora e as meninas que controlam o tempo



Hoje está a chover. Faz-me sempre pensar em duas crianças que um dia descobriram que conseguiam controlar o tempo. Ou não. Não sei, talvez consigam mesmo :) a esperança é a última a morrer, não é o que dizem?
Mas é que é mesmo assim. As pessoas conseguem sempre imaginar uma maneira qualquer, absolutamente ridícula, em que se realiza aquilo que elas querem. Isso é esperança. A esperança é chegar ao fim, mesmo ao fim, e continuar a pensar no que vem a seguir. É incontrolável. É ver tudo desmoronado, morto, irreparável, e imaginar tudo verde e brilhante.
No mito de Pandora, esta é enviada à Terra pelos deuses, que lhe deram de presente características como a beleza, o talento e a curiosidade (é fantástico como a curiosidade vem tantas vezes associada à esperança... acabei de perceber isso). Pandora tem como missão secreta (até para ela) castigar a humanidade pela sua devassidade. Leva com ela uma caixa que não deve nunca abrir. É claro que ela TEM que a abrir (soa um pouco como a história de Adão e Eva, não?) e quando abre, solta pela Terra todos os males de que esta, no futuro, padecerá. You name it: doenças, crime, mentira, ira, dor, traição, morte. Diz a lenda que Pandora, assustada, fecha a caixa, ficando lá a única coisa boa que permitiria aos humanos aguentar todos aqueles males: a esperança. Então, digam-me lá, como é que a gente tem esperança se ela ficou fechada na caixa? A Pandora não sabia o que é que estava lá dentro, por isso também não sabia que ainda faltava sair a esperança. Se calhar ela não resistiu e abriu outra vez a caixa e a esperança lá saiu, ou então recebeu uma visita de um deus clemente (provavelmente a Afrodite, que era uma lamechas) que lhe disse para abrir a caixa porque ainda faltava sair a salvação... Ou então foram os deuses que soltaram a esperança, mais tarde, ao verem que se estava a esgotar o stock de adoradores... Ou se calhar, a esperança nasceu com os humanos, esses fracos... :) Concluindo, o mito é muito insuficiente e parco em pormenores, como lhe convém. Ainda bem que existem mitos parcos em pormenores para podermos inventar um bocadinho.
De qualquer modo, não interessa assim tanto como é que a esperança apareceu, pois não? O máximo que poderia interessar à maioria das pessoas neste mito é onde é que estava essa maldita dessa Pandora que é o princípio dos nossos males... Enfim, não se pode fazer nada por esta gente... mas é um mito reconfortante, aquece o coração.
É claro que se virem bem, o que ele diz é que só com a esperança é que a gente aguenta, porque não tendo nada de bom, nem nunca indo ter, ao menos aguentam-se porque acham que vão ter. Parvos.

segunda-feira, abril 03, 2006

Naruto goes serious

Isto é para um verdadeiro fan de NARUTO! E também para aqueles que acham que NARUTO não é nada de especial. Fiquei pasma ao ver isto!

http://en.wikipedia.org/wiki/Naruto_%28anime_and_manga%29

Orochimaru-sama


Como prometido, cá estou eu para fazer algumas explambicações de NARUTO. Isto até é divertido, sinto-me como a Sakura a dizer em frente ao mapa "Isto é o país do Chá" (piada para apreciadores de Naruto; não se sintam excluídos, infiéis). Bem passo a falar um pouco do Orochimaru, um gajo que "ai e tal, tenho a mania que sou mau". O Orochimaru era um shinobi* de Konoha. Ele fazia parte de uma equipa de três ninjas fabulosos. Fantásticos, mesmo. Desde cedo que esses três mostraram que eram os melhores naquilo que faziam e tinham grandes capacidades para a vida de ninja. São conhecidos ainda agora como os Lendários Sannin: a Tsunade, o Jiraiya e o Orochimaru.
Ora, o Orochimaru, num belo dia, disse «Ah, esta aldeia já me mete fastio, vou mas é virar-me para o lado do mal e causar problemas com repercussões gravíssimas que se arrastem ao longo dos tempos e, se possível, sejam de alguma maneira a causa de todos os problemas que qualquer personagem de NARUTO, por mais longínqua que seja, possa ter.» E foi basicamente isto que ele fez. Parece fácil mas não é. É preciso ser um verdadeiro génio para fazer o que o Orochimaru faz e ele é mesmo powerful.
Então, o Orochimaru começou a fazer experiências proibidas com pessoas e animais e os gajos da aldeia dele não gostaram (é que os ninjas não são desses!). As experiências tinham como objectivo descobrir um jutsu** de imortalidade e, portanto, metiam coisas nojentas e um pouco para o..."mutantes". Quando o Hokage (nessa altura o Sandaime***) descobriu, mandou capturar o Orochimaru, mas, quando o teve encurralado à sua mercê, não conseguiu fazer nada e deixou fugir. Isto porque o Sandaime tinha sido o sensei**** do Orochimaru e dos outros Sannin.
Depois de fugir, é que este nosso não-amigo começou a criar problemas, nomeadamente, metendo-se com quem não se devia meter, nomeadamente o Akatsuki e nomeadamente uma certa personagem importantíssima que não vou dizer o nome (não porque seja segredo, mas apenas porque não me apetece).


*shinobi - ninjas profissionais que trabalham para a sua aldeia.
**jutsu - técnica ninja.
***Sandaime - o terceiro Hokage (Third Hokage), Sarutobi-sensei.
****sensei - este devia ser a Jade a explicar, visto que ela é uma sensei, e ela há-de explicar isso. Entretanto ficam só a saber que é uma espécie de professor/mestre.

Quoting...

"Watch your thoughts; they become your words.
Watch your words; they become your actions.
Watch your actions; they become your habits.
Watch your habits; they become your character.
Watch your character for it will become your destiny."Frank Outlaw

sábado, abril 01, 2006

Subaku no Gaara - Jinchuuriki

1 mês!!!

Hoje o Spoiler Alert faz um mês! Há um mês atrás, estávamos, eu e a Jade, a dizer «Não era tão fixe termos um blog? Podíamos falar do que nos apetecesse para toda a gente, e podíamos mostrar as nossas teorias malucas (ou não)». Um mês depois, fizemos imensos posts que tiveram bastantes comments positivos, com críticas sérias (porque é que insistem tanto nisto?!) e sugestões fixes. Por falar nisso, não se inibam nos comments, digam tudo!
Alguns dizem que escrevemos testamentos e outros que só falamos de manga e anime. Primeiro, estava a pensar escrever qualquer coisa para explicar porque é que fazemos isto...mas depois "eh...the hell with it!" Só vos digo: go figure!
Continuando, o blog correu bem este mês e todas as forças do Universo se juntam e apontam para que o próximo mês seja ainda melhor! Estamos de férias, por isso temos mais tempo para pensar em todas as coisas espectaculares o suficiente para ganharem um espaço no nosso blog e, se estiverem com medo que a Jade, por estar de férias, não ter acesso ao computador de TIC, descansem, porque ela vai finalmente ter Internet em casa! Por isso, vão ter que dispensar ainda mais minutos (muito bem gastos) do vosso dia para ler o Spoiler Alert! Não é o máximo? ;)